Unique Pilates - Studio de Pilates - Canoas / RS » destaque » Pilates favorece a gestação, o nascimento e auxilia no pós-parto
Pilates favorece a gestação, o nascimento e auxilia no pós-parto

Especialistas descobriram que praticar atividade física antes de engravidar e continuar a se exercitar mesmo durante a gestação pode ser muito saudável para a futura mamãe, já que o exercício prepara o corpo para uma gestação saudável e para o pós-parto. Entre as atividades bastante recomendadas estaria o método Pilates, que pode ser adaptado perfeitamente às necessidades e limitações da gestante, podendo prevenir, aliviar ou corrigir dores lombares, enfraquecimento do assoalho pélvico e das articulações.

De acordo com o professor André Ferreira, o Pilates tem se mostrado uma opção adequada especialmente para gestantes em busca de novas terapias para melhorar a qualidade de vida durante o momento em que ficam impedidas de realizar atividades de maior impacto. “Qualquer pessoa pode praticar, já que as aulas são personalizadas. É claro que é preciso respeitar o limite de cada pessoa, mas a atividade é indicada para problemas musculares, articulares, alterações posturais que geram dor nas costas, fibromialgia, osteoporose, além de ser eficaz também no tratamento de quadros depressivos, bem como para enrijecimento e perda leve de medidas”, ressalta Ferreira.
O especialista destaca que em geral a técnica ajuda a eliminar dores, amplia a capacidade de realizar movimentos com baixo impacto articular, possibilita a obtenção de força e equilíbrio muscular, melhora a coordenação motora e promove a correção postural. “O método facilita a circulação sanguínea e linfática, fundamental para bom funcionamento do organismo”, completa o professor.
Para mamãe e bebê os benefícios são ainda maiores. Segundo o especialista, as gestantes conseguem principalmente melhorar a circulação e a eliminação de dores musculares, devido às alterações de postura durante a gravidez. “No caso de mulher sedentária, a indicação é a partir do 3º mês, pois no primeiro trimestre ocorre a formação fetal e grande liberação hormonal, que influencia todo o corpo da mulher”, esclarece. Nas aulas as gestantes aprendem a melhorar a postura, a fortalecer membros inferiores, a acionar e relaxar o assoalho pélvico, que evita a incontinência urinária de esforço, além de permitir a passagem do feto durante o parto normal; bem como aprendem a respirar melhor, aumentando a capacidade de relaxamento, necessária durante o trabalho de parto.

 

FONTE: http://www.jmonline.com.br/novo/?noticias,7,SA%DADE,61235

 

“A prática evita a dor nas costas, alivia inchaços nas pernas e ainda colabora para um parto tranquilo.”

As gestantes conseguem atingir todos os benefícios da prática, principalmente com a melhora da circulação e a eliminação de dores musculares devido às alterações de postura na gravidez. O Pilates ajuda na hora do parto, se este for natural, pois fortalece a musculatura pélvica o que proporciona uma melhor sustentação desta região para o peso do feto. Se for uma cesariana, o método também contribui, pois estimula o desenvolvimento da musculatura do abdômen e o trabalho de respiração, que também beneficia o bebê com a melhor oxigenação do organismo da mãe. A prática tem ainda efeito preventivo. A aluna de Pilates adquire um maior alongamento e equilibrio na região da coluna principalmente na lombar. Grande parte das dores presentes na gravidez são ocasionadas pelo despreparo da musculatura para sustentar o aumento de carga gerado pelo novo tamanho do ventre e dos seios.

Durante a gravidez, o centro de gravidade da mulher muda aumentando muito a curvatura lombar. No início do 2º trimestre a mulher inicia a produção de hormônios, que permitem o aumento da mobilidade nas articulações, com a conseqüente perda de alguma estabilidade natural. Para isso, o método PILATES contempla os exercícios de preparação e recuperação pós-parto. Os exercícios de PILATES promovem um fortalecimento dos músculos nas costas, nas pernas, glúteos e músculos abdominais profundos, permitindo assim, que as mudanças físicas que ocorrem sejam bem toleradas durante toda a gravidez. Com o método a respiração é reeducada como também a gestante se torna mais tranqüila e consciente dos seus atos com mais coordenação e controle destes. PILATES é particularmente bem sucedido a tonificar os músculos da zona púbica e abdominais profundos, após o parto. A pratica deve começar após o terceiro mês e de uma forma bem suave, bastando obedecer um dos conceitos básicos do método que é o de respeitar os limites e a individualidade de cada pessoa. O momento de parar também é variável de pessoa para pessoa, podendo, se não houver nenhum tipo de desconforto em sua prática, ser praticado até o último mês de gravidez. A prática do método não tem nenhuma restrição, a não ser que a gestante tenha uma gravidez de risco.

Por meio de treinamento personalizado, o Pilates é a escolha ideal e mais segura de exercício ao longo do período gestacional.

Os movimentos suaves promovem qualidade de vida ao bebê e à futura mãe, estabiliza a postura prejudicada pelo crescimento da barriga, previne dores lombares, bem como disponibiliza mais conforto à gravidez e ao parto.

O Pilates promove a interação entre o corpo e a mente, conscientizando a futura mamãe sobre as modificações fisiológicas e psicológicas ocorridas durante o período gestacional, que podem ser mais ou menos acentuadas.
Por meio de um programa de exercício individual, conforme as necessidades de cada aluna, o Pilates corrige e mantém fatores primordiais ao bem-estar da grávida, entre outros a respiração, relaxamento e equilíbrio.

A ênfase nas técnicas de respiração e na resistência dos músculos do assoalho pélvico, que nessa fase ficam mais sensíveis, facilita diretamente o trabalho do parto. O trabalho de respiração ajuda a gestante a relaxar e respirar com maior eficiência, reduzindo o nível de cortisol, hormônio do estresse, e induzindo a calma.

O método também oferece coordenação motora, manutenção do peso corporal e a melhora da circulação sanguínea. O reforço abdominal obtido pela execução dos exercícios, otimizam o retorno do abdômen e a redução da flacidez. A rápida recuperação e cicatrização após o parto e a prevenção da incontinência urinária por esforço durante o nascimento da criança, também são influenciadas pelo método.

A partir do quarto mês de gestação até as vésperas do nascimento do bebê, não há restrições para a prática do Pilates. Porém o acompanhamento do obstetra na evolução das aulas é importante para identificar possíveis riscos ou exceções.

A combinação dos exercícios é realizada de acordo com a fase da gestação e do pós-parto. Por isso, a relevância do trabalho em conjunto entre o médico e o profissional de Pilates proporciona à aluna maior confiança e segurança.

Em caso de sedentarismo, é aconselhável iniciar a atividade com exercícios mais leves. Geralmente a mulher pode freqüentar o Pilates até o ultimo mês, desde que não tenha qualquer tipo de desconforto.

(A aluna deve apresentar atestado médico)

Então futuras mamães, pratiquem pilates!!!!